PERGUNTAS FREQUENTES

Sobre OS CATAMOSCAS

Pergunta – O que são “Os Catamoscas”?

Resposta – São indivíduos cujas línguas se prolongam ad infinitum.

 

P – Por que eles recebem esse nome?

R – Foram apelidados “Catamoscas” por apresentarem características semelhantes a suportes para fitas pega-moscas, quando agrupados em duplas.

 

P – Quais as funções da língua dos “Catamoscas”?

R – A língua é o órgão mais forte do corpo, o único que não fadiga e que tem a mais alta capacidade de cicatrização e regeneração. Portanto, os “Catamoscas” fazem uso constante e intenso das propriedades desse órgão, fornecendo a ele inúmeras funções, sendo a principal delas a de conexão com outros indivíduos.

 

P – Como funcionam as línguas dos “Catamoscas"?

R – A língua é composta de fibras musculares e esqueléticas, intercaladas com gordura, o que lhe confere flexibilidade, resistência e mobilidade praticamente ilimitadas. A alta capacidade de regeneração da lingua permite que, uma vez seccionada, ela se conecte a diversos indivíduos concomitantemente. Um septo mediano divide o órgão em duas metades simétricas que podem ser facilmente separadas. As línguas, quando cortadas, podem ser costuradas a outras línguas, possibilitando assim redes infinitas de conexões.

 

P – O que acontece quando o   indivíduo não possui a abertura da cavidade oral?

R – Alguns indivíduos desprovidos de boca utilizam o reto como saída alternativa da língua. Se esses indivíduos estiverem com o ânus obstruído por qualquer razão, a língua tende a se acumular na cavidade abdominal.

 

P – O que acontece com a língua quando os “Catamoscas” morrem?

R – Após o óbito do indivíduo, a língua se mantém viva durante sete dias.  Os indivíduos normalmente pressentem quando estão prestes a morrer, por isso iniciam o processo de recolhimento da língua com antecedência. Uma vez recolhida, eles aguardam o momento da morte. No caso de morte súbita, a língua, que não foi recolhida, sofre uma automutilação instantânea. Então ela se separa do corpo e continua se movimentando por um tempo, até encontrar um novo indivíduo para se conectar. No caso da morte daqueles que não têm boca, a língua se divide em seu septo e sai pelo nariz do defunto. Razão pela qual utiliza-se a técnica de tamponamento das narinas dos defuntos.

 

P – O que acontece com a língua desprendida caso ela não encontre um novo “hospedeiro”?

R – Se não houver pessoas nas imediações da língua desprendida e o prazo de sete dias estiver prestes a expirar, a língua busca outros animais para se conectar e aumentar a sua sobrevida. Quando isso acontece, o animal “hospedeiro” tende a desenvolver mutações em suas caracteristicas físicas, sendo expelido de seu habitat original. Esses animais buscam, instintivamente, proximidade das comunidades de “Catamoscas”.

Pode tambem ocorrer de a língua buscar abrigo em locais de alta densidade de umidade, como por exemplo piscinas, rios, lagos, oceanos.

No entanto, se durante sete dias contados de sua automutilação, a lingua perdida não encontrar nenhum “hospedeiro” vivo ou algum lugar úmido, ela se desidrata e morre.

Em alguns casos, retalhos de línguas encontrados soltos, são recolhidos e colocados em encubadeiras. Após passarem por um processo de recuperação, eles são devidamente preparados para serem acoplados a algum indivíduo carente.

 

P – Qual o tempo de vida médio da língua?

R – A língua, se mantida em local úmido, temperatura média de 36,5 ºC e com meia luz, pode viver durante muitos anos. Sabe-se de línguas que se mantiveram vivas por muitos milênios. 

© 2011 fernandachieco.com

  • Facebook
  • Instagram